Em BREVE box com links para AJUDA/FAQ

You are browsing the archive for Raw.

Avatar of patybia

by patybia

Adobe Camera Raw

29 de junho de 2009 in Dicas, Manipulação Imagens

Adobe Camera é um laboratório importante para quem vai embarcar no mundo do Raw

Para abrir as fotos basta carregá-las no Bridge (software de visualização que vem junto com os Photoshops CS’s) ou clicar na imagem desejada, indicando para abri-la pelo Photoshop.

Lembrem-se de que muitas câmeras fotografam junto com o Raw uma foto em Jpeg, e temos que clicar na imagem com as extensões .Cr2 .Nef .Crw etc. Neste momento, abre-se uma janela diferente, com o Adobe Camera Raw (ACR). Agora sim podemos ter uma ideia do maravilhoso mundo do Raw. Esta janela é o nosso laboratório. Aqui indicamos todas as características que queremos dar ao nosso arquivo Raw (que originalmente é preto e branco). Escolhemos a temperatura de cor (daylight, tungstênio.), podemos recuperar áreas escuras e claras, regular nitidez, tirar alguns ruídos e muito, muito mais.

Então, para que o Photoshop? É verdade, conheço muitos fotógrafos que usam o ACR para finalizar uma foto. No entanto, não dá para corrigir imperfeições, carimbar e fazer algumas outras coisas. O ACR funciona como um “pré-Photoshop”.

Temos que entender que aqui a imagem ainda não está formada, nem aberta. Todas as modificações que operamos na imagem não estão sendo feitas diretamente no Raw. Elas são gravadas num arquivo auxiliar, chamado .xmp (nunca deletem este arquivo!), que indica para o software essas alterações. Assim mantemos o Raw intacto, o que é muito importante, pois futuramente podemos dar uma outra cara para a mesma foto.

Uma das melhores características do ACR é um alerta (geralmente em vermelho) indicando onde está ocorrendo algum problema na imagem.

O ACR tem muitas utilidades. Além disso, é muito extenso e é preciso tempo para destrinchá-lo. Atualmente já é possível, pelo Bridge, abrir outros formatos que não sejam Raw. Acompanhe pela imagem do ACR baixo alguns parâmetros que estou indicando.

29_MHG_tec_fotografia

fonte: Caderno O Globo Digital de 29/06/09 clique aqui para ler a matéria original

Abraços
Paty
Equipe Rau-Tu

Avatar of patybia

by patybia

Fotografando em RAW

22 de junho de 2009 in Dicas de Fotografia, Manipulação Imagens

Arquivos em “estado cru” melhoram qualidade e preservam mais informações sobre as fotos

A maioria das câmeras Prosumer atende a fotógrafos profissionais também porque elas permitem fotografar em formato nativo. Estes formatos são conhecidos como RAW – que é, basicamente, uma extensão, assim como JPEG, PSD ou TIFF. Fotos em RAW funcionam como “negativos digitais”. A posse deste arquivo já é considerada, na maioria dos tribunais, prova de autoria da imagem. Portanto, nunca mandem seus arquivos RAW para ninguém.

 A grande vantagem de se fotografar em RAW é poder “revelar” a imagem posteriormente. Significa que este arquivo ainda não foi processado, ou seja, encontra-se em estado cru (raw).

Além de garantir uma gama de informação nas altas e baixas luzes muito superior ao JPEG, é um formato muito elástico: a partir de uma foto em RAW, pode-se escolher o espaço RGB, contraste, temperatura de cor e muitos outros parâmetros. O interessante é saber que ali se encontra o máximo de qualidade que a sua câmera digital consegue produzir.

No entanto, ocupa mais espaço e tempo! Fotografar em RAW significa ter menos fotos por cartão de memória e demorar mais processando os arquivos, tanto na câmera quanto no computador. A relação é mais ou menos esta: uma imagem em RAW é três a quatro vezes mais pesada que um JPEG e duas a três vezes mais leve que um TIFF.

Existe um número considerável de formatos RAW. Os mais conhecidos são .CRW e .CR.2 (Canon), .NEF (Nikon) e por aí vai. Cada fabricante tem seus formato para manter certas características “únicas” de cada câmera.

Para organizar esta bagunça, a Adobe (fabricante do Photoshop) lançou o formato DNG (digital negative), na tentativa de unificar todos formatos nativos e forçar os fabricantes a usá-lo. Já existem câmeras que fotografam em DNG. A vantagem é que teremos a certeza de, no futuro, conseguir abrir este arquivo pelo Photoshop.

Estou enfatizando a escolha das câmeras Prosumer e o uso de arquivos RAW também para mostrar que o fotógrafo amador pode conseguir um material de qualidade técnica muito perto do profissional.

Para se ter uma ideia, o Image Bank, um dos principais sites de comercialização de imagens do mundo, fez uma parceria com o Flickr para a venda de fotos de alguns usuários. Imagine sua foto se transformando numa publicidade no futuro. Só é possível com qualidade, e RAW é um formato que garante isso. Se for bem capturado e processado vai proporcionar resultados surpreendentes.

fonte:  Caderno O Globo Digital de 01/06/09  clique aqui para ler a matéria original

Abraços
Paty
Equipe Rau-Tu